BLOG

CASA COR SÃO PAULO 2017

27/06/2017

CASA COR | São Paulo 2017

 

Nem tanto conceito, nem tanta suntuosidade. Seguindo o tema do evento os expositores de Casa Cor SP trouxeram para o Jockey Club na Cidade Jardim propostas mais “pé no chão”.

É claro que o luxo e as inovações teconológicas estão por todos os lados, o próprio Jockey com sua imponência conduz neste sentido.

 

Foto: casacor.abril.com.br 

 

O que não se vê são aquelas propostas mirabolantes apresentadas sucessivamente em edições da mostra . 

ACONCHEGO , VIVÊNCIAS E VERDADE... A CASA DE VERDADE.  De modo geral as estrelas da decoração nacional interpretaram assim o briefing  "FOCO NO ESSENCIAL".

 

Foto: casacor.abril.com.br

 

 

A Casa Cosmopolita da carioca Paola Ribeiro é um exemplo. Ela recebe influências de vários lugares do mundo, como o nome sugere, mas sem perder de vista o jeitinho brasileiro. A ginga e a descontração.  Há lugar para cultura, arte e bom design, mas nada é muito engessado. Dois cavaletes sustentam a prancha do bar ao lado da mesa de jantar. Parece batido falar em hi low, mas é a receita.  Algo muito nobre conversa com algo muito simples... ordinários e extraordináros num mesmo cenário.  O que acontece é que o contexto perde aquela pompa excessiva e ganha aconchego.

 

Foto: Gisela dos Santos

 

Foto: casacor.abril.com.br 

 

 

CASA DE PRAIA de Marina Linhares  segue no mesmo caminho: é chic sem ser pedante. Muito coerente com a atmosfera do litoral.  Branco e azul predominam. Cartinha marcada? Sim, mas a dobradinha é infalível a beira mar...  Listras? Também... e tecidos naturais (na praia tem que ser),  improvisos, arte...  quase se ouve o barulho do mar, dá vontade de ficar.

 

 

Foto: Gisela dos Santos

 

CASA DO BOSQUE  projetada pelos arquitetos Gilberto Cione e Olegário Sá. Pedra, pele e madeira  emprestam aconchego ao espaço, servido de contraponto para materiais reflexivos como aço inox .

 

 

 Foto: casacor.abril.com.br 

 

 

ESPAÇO DOS CONVIDADOS . Denise Barreto trouxe um anexo de 250 m2 e arquitetura contemporânea. Tons neutros e madeira predominam no interior com cozinha gourmet, living e uma pequena praça .

 

Foto: casacor.abril.com.br 

 

 

No outro pavilhão do Jockey A COZINHA INDUSTRIAL de Erica Salgueiro ganhou uma horta emoldurando a ilha... e canos sustentando prateleiras.

Foto: Gisela dos Santos 

 

Os catarinenses Moacir Schimitt Jr e Salvio Moraes Jr  participam como convidados pelo segundo ano consecutivo. Este ano eles assinam o LIVING BAR. Eles valorizam o pé direito do espaço com uma marcenaria filetada. Cinzas e castanhos. Peças selecionadas de design nacional. Atmosfera elegante e urbana.  Ênfase para arte catarinense em contraponto com artesanato trazido do nordeste. Brasilidade sem clichês. Muito chic.  Como catarinense fico orgulhosa de ver nossos talentos em evidência num mercado tão disputado.

 

Foto: casacor.abril.com.br 

 

 

Tendencias #sisoqueno     

Já falamos que não somos guiados por tendências, mas observamos que algumas cores e materiais repetem-se.  Então estão em alta - rsrsrs

Verde e rosa em várias nuances, puxando para o vintage. Eles aparecem juntos ou separados. Sim, o verde e rosa da  Mangueira! são as cores queridinhas dos antenados. A Pantone preconizou e Casa Cor reforçou .

 

 

Foto: casacor.abril.com.br 

 

Elementos metálicos. Serralheria está bombando. Estruturtas de aço e ferro aparecem em montantes de estante, base de mobliário , etc.

 

Foto: Gisela dos Santos

 

 

SERVIÇO CASACOR SÃO PAULO 2017

 

QUANDO?

De 23 de maio a 23 de julho

Terça a domingo, das 12h às 21h

 

ONDE?

Jockey Club de São Paulo – Avenida Lineu de Paula Machado, nº 1075 – Cidade Jardim

 

INGRESSOS:

De terça a quinta-feira: ingresso inteiro: R$ 56 | meia entrada: R$ 28

Sexta, sábado, domingo e feriados: ingresso inteiro: R$ 70 | meia entrada: R$ 35

Passaporte único: R$ 165

Valet: R$ 35

CASA COR SC 2017

12/06/2017

Pela primeira vez Casa Cor SC abre as portas em Balneário Camboriu. O evento acontece no Marina Beach Towers, um condomínio residencial com vocação náutica às margens do Rio Camboriu. São 32 ambientes distribuídos em mais de 3 mil m² de área.

Foto: Lio Simas

Píer Seventeen, por Bruno Barbieri e Indiara Daros / Foto: Lio Simas

 

Por atrair investidores de alto poder aquisitivo do Brasil e do mundo, considero Balneario Camboriu um dos melhores mercados de arquitetura de interiores do país. Pegando carona no sucesso dos lançamentos do setor imobiliário de luxo, arquitetos e designers da região fazem apostas ousadas. Balneario Camboriu é a Miami brasileira, e isso se reflete em Casa Cor.

Fornecedores da região demonstram fôlego pra bancar um evento de grande porte. A imponência do estilo clássico palaciano que se vê no hall dos novos empreendimentos migrou para a mostra em vários ambientes...

 

Foto: Lio Simas

Loft Hanami, por Juliana Jagelski e Joana Lunelli / Foto: Lio Simas

  

The Great Living, por Alexandre Voigt / Foto: Lio Simas

 

Investir em dourados, peças pomposas, ornamentos e lustres hiperbólicos é um jeito de captar clientes interessados em mostrar o novo status quo da família no endereço de temporada. Ostentar o brilho de materiais nobres é um dos caminhos pra conquistar a atenção do visitante, mas não o único. Transitam pelo evento iniciantes e iniciados em cultura de design. E sabe-se que nem tudo que reluz é ouro...

Então muitos ambientes - a maioria- trazem propostas com menos pompas e circunstâncias. O ESTILO INDUSTRIAL é uma tendência reforçada na mostra. Concreto aparente, tubulações à mostra, calhas, vergalhões formando bases de mesas e estantes... A verdade nua e crua dos materiais exposta ao lado de peças de design consagrado, boa arte e revestimentos nobres.

Espaço Mendes, por Studio Alencar / Foto: Lio Simas

 

Sala de Concreto, por Salvio Jr e Moacir Jr / Foto: Lio Simas

 

É a pegada hi low, que mistura o muito simples e o muito sofisticado, o caro e o barato. Fazendo um paralelo com a moda, é como combinar um jeans velho com uma camisa da melhor seda... Uma peça oferece a contrapartida à outra.

Comparo sempre vestir e decorar porque acho que as duas coisas servem como depoimento de personalidade e estes dois universos caminham juntos. Portanto vale, e muito, buscar inspiração na Casa Cor - que é a passarela do décor, mas as tendências não podem servir como regra. Saber adequar as ideias para o próprio estilo de vida e orçamento é a grande sacada. Nem brilho, nem opacidade, nem contenção, nem exuberância... Coerência é a questão.

Casa é refúgio, tem que ter a cara do dono.

Casa Cor SC acontece até o dia 25 de junho. 

 

Serviço:

Data: 14 de maio a 25 de junho de 2017

Horários: Terça a sexta, das 15h às 21h

                Sábado, das 13h às 21h

                Domingo, das 13h às 19h

Local: Marina Beach Towers. Rua 3700, 425– Vila Real, Balneário Camboriú/SC

Ingresso Inteiro: R$ 40

Ingresso de estudante: R$ 20 

Ingresso Profissional (expositor): R$ 28

Ingresso para grupos acima de 20 pessoas: R$ 30 cada

 

Passaporte: R$ 100

Casa Cor Santa Catarina 2016

23/11/2016
Casa Cor Santa Catarina em Patrimônio Histórico
 
Texto: Gisela dos Santos
Fotos: Lio Simas
 
 
Um endereço bacana é meio caminho andado para o sucesso de Casa Cor em qualquer lugar ...Digo isso com respaldo de muitos milhares de quilômetros rodados no evento por aqui, em outras capitais do Brasil e da América Latina. Partindo daí pode-se dizer que a organização do evento este ano acertou em cheio na escolha do imóvel. A casa que pertenceu ao historiador Osvaldo Cabral dos anos 50 desde sempre atraiu olhares e a curiosidade de quem passa pela Esteves Jr.  Como muita gente já parei ao longo dos anos algumas vezes pra observar os arcos, colunas, azulejaria e outros ornamentos do estilo colonial espanhol da fachada da casa.
 
Por coincidência já até cogitei com outros organizadores a possibilidade de fazer uma mostra no local (não faço parte da equipe de evento algum mas sou palpiteira de plantão sempre atenta as possiblidades e torcendo para bons eventos tanto de Casa Cor quanto em Casa Nova em seu período) Não deu certo na época, deu certo agora   e este é o momento pra se conhecer um imóvel que é um ícone do patrimônio histórico no centro  da capital de SC. Casa tombada desde os anos 80 e revitalizada  para o evento.
 
 
 
A arquitetura expressiva da casa inspirou os expositores ...não que todos tenham seguido na batida retrô do imóvel , mas  valorizar as características da arquitetura original como:  o pé direito altíssimo, as aberturas, o belíssimo piso de madeira foi ponto de partida dos projetos. 
 
Dentro de casa , Juliana Pippi assumiu o maior ambiente. Fez da biblioteca de Osvaldo Cabral que um dia acomodou 8 mil livros, um living. É  A Sala dos Poemas.  Paredes forradas de veludo verde musgo conferem um tom mais austero para o espaço ,o que contraria as expectativas do público (Juliana é lembrada por projetos mais joviais , urbanos e coloridos) , mas é muito coerente com a história da sala .  O bom do design nacional de diversos períodos compõe o espaço junto com o sofá curvo - tendência ? Sim só que não  ... seja como for Adriana Tiezzi usa um modelo de sofá curvo no hall  e Tufi Mussi no living bar ( e nós do Casa e Cia também amamos este modelo) .
 
 
 
Marco Medeiros e Rose de Campos assumiram a varanda e tiraram partido das influências mouras da arquitetura colonial espanhola da casa. Os arcos valorizam os sofá e nas paredes filetes remetem a ideia dos muxarabis ... decor rompe com conceito minimalista . " Mais é mais e menos é sem graça"  (frase não é minha mais eu amo).  Muitos adornos, almofadas e mais almofadas... Muitas estampas, e mais cristais. Não tem café no bule, mas tem uma máquina de café expresso....  frutas frescas de verdade e flores de verdade... e daí a gente passa por ali e nem lembra que o país ainda  está em crise. Não sei se era intenção , mas chamo isto de escapismo. A válvula de escape que remete a ideia de prosperidade e abundância...
 
 
 
 
MUITAS INTERPRETAÇÕES, pluralidade de estilos. O bom desta edição de Casa Cor é que as fórmulas não se repetem. Mais do que nunca a tendência é não seguir tendência...
 
E na outra ponta do evento o escritório Marchetti + Bonetti propõe na Cabana, uma moradia nômade. Arquitetura sustentável executada em madeira e chapas metálicas, o essencial para viver e locomover-se levando o habitat para diferentes lugares. A ideia é O MUNDO É O MEU QUINTAL (gosto disso!) e o depoimento: menos aquisições e mais vivências. Desapego. Estilo de vida espartano, riqueza em experiências.
 
 
Ainda falando de arquitetura não convencional o Pub também é destaque. Os arquitetos que fazem parte da Confraria do Chopp Honesto e que pertencem a diferentes escritórios locais mostram em Casa Cor que embora o Pub tenha nascido de uma brincadeira de amigos no bar eles não estão de brincadeira na mostra. Eles uniram cinco conteiners e criaram um bar gigante, levantando a questão do reuso, sustentabilidade e economia.
 
A área de gastronomia e entretenimento ganhou ainda café de Carol Porto e Isadora Maestri
e o restaurante de Sidnei Machado.
 
No entorno está o Jardim assinado por Juliana Castro , que virou ponto de encontro nos fundos do imóvel.
 
 
 
E na frente o Jardim de Outrora de Ana Trevisan. 
Ana criou uma praça de convivência com ar moderno e cosmopolita na entrada da casa..., moderno, mas sem entrar em conflito com a fachada. Ao contrario.  Espelho d'água e bancos só valoriam o conjunto. Vieram ainda balanços de corda pendurados nas árvores.
 
 
O evento tem duas cozinhas:
Jairo Lopes e Pedro Tessarolo assinam a cozinha do cotidiano e trazem soluções para espaços compactos e uma batida jovem e urbana.
 
Mariana Pesca encarregou-se da cozinha de receber...É a cozinha gourmet que caiu nas graças do brasileiro de alto poder aquisitivo.  Esta cozinha com status ganhou materias nobres e um fogão que é sensacão do espaço (cerca de 45 mil reais creio que frete incluído, faz diferença? ) 
 
 
 
Citei apenas alguns ambientes (não representam uma seleção de destaques ) pra falar das diferentes propostas apresentadas em Casa Cor SC. Há ideias para todos os estilos, para todos os gostos e orçamentos. Vale a visita. 
 
Casa Cor Santa Catarina
até 04 de Dezembro de 2016
Terça a Sexta das 15h às 21h
Sábado e Feriado das 13h às 21h
Domingo das 13h às 19h
 
ONDE?
Casa Dr. Oswaldo Cabral
Rua Esteves Junior, 546
Centro
Florianópolis – SC
 
 

teste

21/11/2016

Casa Cor Rio de Janeiro

14/11/2016
CASA COR RIO NA GÁVEA
 
Nem vou fazer muito rodeio pra falar ... CASA E CIA adora o life  style do Rio de Janeiro.
A despretensão e a bossa, o  o jeito de ser, de viver e de morar do carioca tem aquele charme do chic simples que a gente tanto gosta. 
Em casa Cor Rio este ano, arquitetos e designers trouxeram diferentes interpretações deste jeito carioca de viver pra dentro de um casarão icônico na Gávea. A casa rosa, famosa no bairro, que pertence aos herdeiros da extinta companhia de aviação PainAir, recebeu dezenas de expositores.
 
 
 
 
Entre os destaques do evento selecionamos
 
Living e o hall da casa.
Paola Ribeiro combinou peças de antiquário, sofás  de linhas retas , telas de variados artistas e estilos (gosto de acervo eclético) muitas flores (de verdade lógico, gente de verdade gosta de flor de verdade)  tapetes (sobreposição de trama colorida  e zebra chamou atenção) abajures, livros... enfim fazendo um paralelo com a gastronomia  apostou na receita certa tradicional com   ingredientes de ótima qualidade... e mesmo sem apresentar nenhum discurso  conceitual ou reflexão, muita invencionice, roubou a cena logo na entrada da casa ...
 
 
 
 
Varanda 
Maurício Nóbrega tirou partido das imponentes colunas da arquitetura original da casa e criou vários ambientes de convivio.
 
 
 
 
Roca Estar 
Carlos Carvalho e Rodrigo Beze são arquitetos muito jovens que estão se destacando na mostra carioca com um uma batida expressiva  marcada  pela dramaticidade e ousadia. É Rio, e como já disse eles são jovens, mesmo assim bancaram a aposta num sofá de veludo...(O  Brasil curvou-se a incontestável elegância de deste material)  Curvo!  eis que não se fala mais na ditadura das linhas retas....a  curvatura dos assentos  é tendência. a gente não gosta de falar tendência, mas que é, é. 
Também veio arte, boa arte , estante com livros virados (naquela ideia do conceito passarela conveniente só para mostra) e uma iluminação muito envolvente.
 
 
 
 
 
 
Quarto do casal
Adriana Valle e Patricia Carvalho também apostaram nos em peças de antiquário e mesmo assim criaram um quarto versátil e muito leve, jovial. 
Não há mais espaço para colchas acetinadas e volumosas. A dica é roupa é cobrir a cama com tecidos naturais... 
 
 
 
 
Ainda no interior da casa elegemos como destaque a Sala de Receber. 
Erick Figueira de Melo trouxe bar e cozinha para o contexto social e criou vários ambientes de convívio com boas escolhas de design de diferentes épocas. Elegante sem ser pedante.
 
 
 
Entre os anexos
O Bangalô Deca de Marcia Muller foge daquela ideia de show room de ambientes comerciais.
Marcia apostou no estilo zen e nos materiais sustentáveis, mas sem cair na pegadinha do esotérico- ecológico meio bicho grilo. É um zen chic sem cheiro de incenso com metais nobres da marca exibidos no banheiro .
 
 
 
Cabana 
Duda Porto  ganha mais uma vez a mira dos holfotes nesta edição de Casa Cor com uma construção executada em poucos dias com estruturas metálicas e madeira e vocação nômade. O arquiteto já é especialista neste tipo de obra feita para ser transportada. 
Duda também criou uma cabana suspensa na árvore e a cabana do cachorro. Na cabana principal a ambientação elegente mostra que o perfil  nômade também pode ter bom gosto. Não é um colecionador por sua natureza, mas sabe eleger poucas e boas peças.
 

Casa e Cia em um giro pelo Peru

22/08/2016

Arquitetura em Lima. Madeira em forma de painéis deslizantes, brises e outros elementos presente na maioria das novas edificações residenciais. Nos bairros nobres prédios quase sempre baixos voltam-se para inúmeras praças. Planejamento urbano invejável.

 

 

 

Visita ao Teatro del Centro Cultural PUCP. Dramaticidade . Amo o efeito teatral das cortinas de veludo vermelho . Transporta imediatamente a ideia de um palco . Rouba a cena. Também amei o verde "desmaiadinho " das paredes (ótimo contraste) as boasseris , os capitonês, os abajures ... Tudo! Adoro!

 

A elegância da arquitetura de Lima. Forte sim, imponente, mas também muito simples . Caminhei , corri por muitos bairros nobres e não vi nenhuma casa estilo "bolo de noiva" . Sinto por aqui um perfume da arquitetura modernista brasileira . Lição de estilo!

 

 

Sou apaixonada desde sempre pela arquitetura de influência espanhola. Num passeio por San Isidro esta casa de cerca de 300 anos me atraiu atenção. Entrei e por acaso encontrei o restaurante Astrid & Gaston que há tempos queria conhecer. Gaston Acurio é o chef mais festejado do Peru. Adoro estes encontros do acaso. Atendimento perfeito. Zero afetação como em todos os lugares elegantes e badalados aqui.
 

Brincando de "decoradeira" em casa.

20/07/2016

Brincando de "decoradeira" em casa.

Mix de estampas, estilos. Decor displicente. Muito mais emoção do que razão.

Encontros do acaso , escolho algumas peças , outras me escolhem. Certo é que minha casa reflete sempre meu momento. Acho que decoração tem que ser isso . Depoimento de personalidade do dono. Nunca cópia da casa do vizinho .

Decor não tem que ser atestado de status quo. Vai ser de verdade se traduzir a alma. Casa é pra curtir , não pra ostentar . É isso que busco aqui, é isso que quero passar com o programa. ?#‎casaecia? . Amo os ordinários e os extraordinários que contracenam aqui em casa.

Bom na verdade nem sei porque escrevi tanto. Só queria falar de displicência e mix de estampas, mas é que também amo palavras e outras palavras . ?#‎decor? ?#‎decorlovers??#‎interiordesign? ?#‎semroteiro?

 

casa da gi

 

Enquanto escrevia essas palavras, um beija-flor entrou pela janela. Surgiu, sorriu, saudou e sumiu. Antes me disse que sentiu-se muito bem e acolhido, mas não curte cercadinho (entendo).

De todo modo lhe disse que as janelas estarão sempre abertas para ele e outros seres de alma elevada. Gosto destas analogias. A verdade é que estou toda arrepiada de emoção.

Energia boa atrai coisas boas. Grata por ter me escolhido. 

 

CASA COR São Paulo comemora 30 anos

29/06/2016
O tema do evento em 2016 é celebração. Trata-se de uma edição comemorativa, mas o evento está mais enxuto, e o que se vê são expositores mais contidos. Exageros e excentricidades ficaram de fora do Jockey. Reflexo do momento econômico.
 
Se por um lado  aparecem propostas mais viáveis, o que é bom, na contrapartida a mostra apresenta poucas surpresas... O que quero dizer é que faltou emoção. Casa e Cia já cobriu 16 edições de Casa Cor. Todo ano tem aqueles espaços que a gente entra e diz: Wow!  Este ano não aconteceu. Muita coisa bacana, mas nada assim de tirar o fôlego.
 
Entre os destaques alguns veteranos. Roberto Migotto imprime imponência e elegância em seu espaço Tributo aos 30. Equilíbrio ok, proporção ok, tudo muito correto, mas dele sempre mais... Algo que me tire do prumo. Não aconteceu. Amei o tom de rosa antigo que espalha-se pelo espaço.
 
 
 
Rosa antigo aparece  em vários ambientes aliás, é apontado como tendência. Não gosto desta palavra, mas é .
 
David Bastos trouxe o tom para o seu living.. É a cor do ano da Pantone, junto com o azul acinzentado usado por Clarisse Readi em seu espaço. Casa e Cia, aliás, amou esta sala. A estante foi mimetizada com o mesmo tom de azul das paredes, entraram peças antigas, o sofá coringão capa de sarja e muita arte. Nada de invencionices e sem fazer muita força o conjunto encanta...
 
 
 
 
 
 
Gil Cioni e Olegário Sá estão no living do barista. Eles apostam numa decoração com personalidade forte e em ícones do design nacional.
 
Na Cozinha Gourmet Guilherme Torres adianta os equipamentos da cozinha do futuro. Bancadas de aço inox, um visual meio Jetsons, mas o que chama a atenção é a taxidermia na parede. Causou polêmica..
 
 
 
 
No loft de João Armentano, nenhuma polêmica, mas também nenhuma surpresa, nada muito inédito... Castanhos e poucas pinceladas de cor... Linhas retas... Foi-se o tempo em que Armentano buscava reflexões ou propostas transgressoras. Lembro da Casa Box...
 
 
Léo Shetman por sua vez segue o caminho oposto. A cada edição está mais ousado,quebra paradigmas.
Este ano instalou-se num vagão todo grafitado. Está fazendo sucesso.... e olha que está do lado de Marina Linhares que mandou bem no espaço Deca este ano com uma construção gigante...
 
 
 
Outra que aparece mais a cada edição é Paola Ribeiro. Seu loft mistura o vintage e o descolado. É aquele despretensioso, muito bem pensado. Armários verdes, objetos à mostra em pranchas na cozinha. Muita bossa, zero afetação. Dá vontade de ficar.
 
 
 
 
Os jrs , Moacir e Salvio, representantes catarinenses no evento, também são destaque de Casa Cor. 
Trouxeram móveis e objetos de fornecedores catarinenses e criaram um espaço cosmopolita sobretudo. Não é de hoje que Casa E CIA aponta esta característica globalizada e a linha cult globetroter dos meninos de BC apaixonados por arte, design e viagens.

 

 
 
Também adoramos a proposta do vizinho deles, o esc carioca Yamagata Arquitetura. Eles misturam influências nipônicas com materiais brutos e industrias. Blocos de concreto formando a mesa de centro, canos metálicos em montantes de estantes... E o que poderia ficar meio tosco, fica cool, num contexto que envolve marcenaria refinada, iluminação intimista e peças de design.  
Bingo! Hi low. Mistura de extraordinarios e ordináriios dá muito certo. A gente quer ver o inusitado. 
 
 
 
Tradição e Ruptura (me apropriando aqui de um título de Casa Vogue em seu auge). Contrastes quebram a monotonia e o movimento retilíneo e uniforme. 
 
Se é que me entendem?
 
 
A CASA COR SP acontece até o dia 10 de Julho de 2016
Terça à quinta das 12h às 21h
Sexta, sábado e feriados das 12h às 21h30
Domingo das 12h às 20h
 
Onde? Jockey Club de São Paulo
Av. Lineu de Paula Machado, 775
Cidade Jardim

Acabamentos originais valorizam a decoração

29/06/2016

Azulejos e banheira originais mantidos no banheiro no apê de @allexcolontonio e @r_andreh.

Adoro!

Admiro o bom senso de quem preserva os acabamentos em bom estado. Acho o fim sair quebrando azulejos e piso a cada dez anos pra ficar em dia com a indústria cerâmica e tal...

Não estou querendo menosprezar a evolução dos acabamentos, mas geralmente os adeptos do quebra quebra são os que menos investem em arte, antiguidades, design, bons tapetes... Cultura sabe?

Aquilo que valoriza de fato uma casa. Acompanhando projetos estes anos todos, percebi que o brasileiro neste ponto está muito mais parecido com o americano do que com o europeu, investe na obra e esquece do contexto. Falta quadro, falta abajur , falta vivência, borogodó... Capisce?

#ficadica #design #interiores #interiordesign

 

E por falar em Impressionismo...

19/02/2016

Falando em Monet... Eu amo impressionismo!O descompromisso com a nitidez da figura, os contrastes de luz e sombra.

Esta tela da Cor Galeria, de Marina Baldini,  me remete às pinceladas de Monet. Foi paixão instantânea, mas não comprei de cara. Se gosto de uma obra, começo a visitar a galeria, sinto o que ela tem pra me dizer, pra me passar... sei que ela vai fazer parte da minha vida, porque não é uma almofada, não é um sofá, é arte!Não veio ao mundo pra combinar com a cor da cortina e da almofada. Merece respeito.

 

 

Bom, acho que fugi do tema com meu discurso de entusiasta de arte, mas o que aconteceu é que ela veio parar na minha casa na terceira visita a galeria. Descobriu seu lugar, nunca mais saiu.

Aquisições de arte fazem toda a diferença na casa. Não importa o valor, importa o que as pinceladas lhe trazem de emoção. Aliás, por favor quando me mostrares um quadro não fale de preço, diga-me somente o nome do artista (há quem só lembre o preço) e o que ele significa pra você. Nada pior do quea soberba e a ignorância diante de suas próprias conquistas.

Gisela

#art #arte #casaecia #casaeciatv

Os jardins de Monet

18/02/2016

Um dos passeios mais bonitos que se pode fazer durante uma visita à França é, sem dúvida, a visita a casa do pintor Claude Monet, na pequena Giverny, a 75 km de Paris.

 

Monet, mestre do Impressionismo, morou nesta casa entre os anos de 1883 a 1936, ano de sua morte.

 

 

Caminhar pelos jardins da propriedade é quase como estar dentro de uma de suas telas.Dizem que era o próprio Monet quem cuidava das flores, como quem quisesse criar o cenário perfeito para suas pinturas.

 

 

 

Além disso, é possível visitar o interior da casa, onde pode-se conhecer o atelier do artista e vislumbrar reproduções de algumas de suas obras-primas.

 

Visite

A casa e os jardins estão abertos diariamente entre o início de abril e o fim de outubro; do início de novembro ao fim de março, estão fechados.

Os visitantes podem comprar o ingresso com antecedência na bilheteria online da Fundação Monet. O ingresso custa € 9,50 para adultos e € 5,50 para crianças a partir de 7 anos.

 

Sobre Claude Monet

Oscar-Claude Monet nasceu em Paris no dia 14 de novembro de 1840, e faleceu no ano de 1926 nesta casa, em Giverny. Pintor, foi um dos mais célebres artistas do Impressionismo.

O Impressionismo surgiu na pintura frances, e começou com um grupo de jovens pintores que decidiram romper com as regras vigentes na pintura da época. O nome deste movimento vem da obra de Monet, chamada Impression, soleil levant (Impressão, nascer do sol), de 1872. 

 

 

 

Opinião

09/11/2015

Museu do Amanhã. Projeto do arquiteto Santiago Calatrava no Pier Mauá. Zona Portuária do Rio.

Escultórica ou alegórica?

 

 

Pra mim os excessos de adorrrrrnos do trabalho do arquiteto espanhol comprometem algumas de suas obras... Gosto de muitas, mas a primeira coisa que me veio a cabeça foi: um bolo de noiva gigante!!!

Vontade sair correndo pro Mac em Niterói. Oscar conseguia marcar imponência sem tanto adorrrrno. Detalhe: a obra já extrapolou o orçamento antes da conclusão (fiz esta foto mês passado), fato que se repete nos projetos do catalão espalhados pelo mundo.

 #opinião #arquitetura#architecture #design #rio #casaecia #casaeciatv

Decoração com histórias para contar

11/11/2015

Tapetes peruanos.

 

Eu trouxe dois na bagagem, na viagem que fiz recentemente para Lima. Estava em dúvida de qual ia entrar no hall aqui em casa . Entraram os dois.

 

Pra mim decoração tem que ter história, tem que ter vivência. E estes tapetes trazem com eles um pouco do que vivi em Lima. Foram dias intensos. Trabalhei, surfei, adoeci, me recuperei , voltei a trabalhar... Sobretudo me diverti muito.

Olhar para estas cores, tramas e estampas me remete de volta a Lima e sua rica e forte cultura. Na foto contracenam puff de kilin, banco acrílico @estudionadaseleva @studioambientes tela @alexandrefreire_arte.

Repare ainda no rodapé de cerâmica imitando portuguesa.

?#‎amomuitotudoisso? ?#‎arquitetura? ?#‎design? ?#‎decor? ?#‎perú? ?#‎limatrip??#‎peruvianarchitecture? ?#‎peruvianstyle? ?#‎interiordesign? ?#‎casadagi? ?#‎casaecia??#‎casaeciatv? ?#‎art? ?#‎tapete? ?#‎cultura?

Casa e Cia na Casa Cor Rio de Janeiro 2015

16/09/2015

 

Vila Aymoré , palco da Casa Cor carioca este ano, que está de portas abertas desde o dia 01 de setembro. 

Não perco uma @casacorrio_oficial desde 2002. Já são 14 anos de cobertura. Já me sinto em casa percorrendo evento . Sou fã do estilo de viver e de morar ... Da ginga e da bossa carioca. 

 

 

Casa Cor Rio de Janeiro
De 01 de Setembro a 04 de OutubroTerça a Domingo das 12h às 21h (Aberto excepcionalmente no feriado do dia 07/09, das 12 às 21h)
Vila Aymoré - Ladeira da Gloria nº 26 – Gloria
Dia de semana
Inteira: R$ 44,00 - Meia: R$ 22,00Fim de semana e feriadosInteira: R$ 50,00 - Meia: R$ 25,00PassaporteR$ 100,00

 

 

 

?#‎pauta? ?#‎design? #casaeciatv #casaecia ?#‎tv? ?#‎arquitetura? ?#‎architecture? .

Combinar descombinando

03/08/2015


Oncinha aqui no puff e zebra logo ali no aparador. Pode? Claro que pode e deve.

 

Mas tem que saber. Tem que saber combinar, descombinando...

 

E descombinar combinando.

 

 

E como é isso?

 

 

Não tem fórmula. Eis a questão.

 

Casa e Cia aborda esta grande polêmica do universo do decor. Porque em determinada circunstância a oncinha vira símbolo de "peruíce" e em outras (como no caso desta foto) fica super cool?

 

 

Ahan... Este é o pulo do gato ou ,se preferir, o salto da onça.

 

Saber ousar. Sem medo e sem culpa. Um pouco de transgressão sempre quebra o óbvio.

 É preciso sair da zona de conforto. 

Coisa pra iniciados e não pra iniciantes. 

Decoração da casa

02/07/2015

Aqui em casa minhas coisas contracenam como num palco.

Às vezes os objetos se encontram ao acaso... Isso mesmo, eles mudam de lugar sozinhos, dançam pela sala...

Às vezes eu promovo estes encontros. Foi o caso da ampulheta (presente da minha irmã Silvia) e do quadro ( @sierrafloripa ). Achei por bem que eles conversassem... Ele disse: "nunca desista!" Ela disse: "é uma questão de tempo..."

Seguem trocando ideias. Dinâmica. Movimento. Esta é a tônica da casa.

 

Gisela dos Santos 

 

 ?#‎decor? ?#‎design? ?#‎casa??#‎casadinâmica? ?#‎casaeciatv? ?#‎casaecia?

 

Mostra Black 2015

08/07/2015


A escolha da Oca, uma das edificações mais emblemáticas da arquitetura modernista brasileira, foi o primeiro grande acerto da organização nesta 4 edição de Mostra Black. Erguida na primeira metade da década de 50 a obra faz pose de disco voador, formato recorrente no portfólio de Niemeyer, mestre que também projetou o MAC de Niteroi. Neste grande dico voador circulam, no cotidiano, nomes da arte e, nestes 14 dias de Mostra Black, figuras do universo do design e decor.

Foto: Bruno Conti

                            Foto: Bruno Conti 



Cada um no seu quadrado
A organizacao Black setorizou o evento em grandes caixas de madeira. O projeto luminotécnico ficou a cargo de Maneco Quinderé. A ideia de encapsular os ambientes em boxes de tamanhos parecidos livrou os expositores das curvas da Oca e os colocou num mesmo patamar.

A curadoria formada por Raquel Silveira e Sergio Zobaran, na primeira fase, selecionou nomes já conhecidos no cenário nacional e arquitetos de outros estados fora do eixo Rio - São Paulo.O arquiteto catarinense Marcelo Salum esteve entre os convidados desta edição. Obras de arte, livros raros, móveis de época - com ênfase no período Art Deco - e peças de design preencheram os 60 m².Salum, que é veterano em mostras catarinenses, só comemora a experiência em Black.

 

                       Marcelo Salum | Foto: Mariana Boro


Outra estreante convidada, Juliana Vasconcelos, trouxe inspiração futurista para a Oca. Mesa de centro coberta com aço inox e curvatura na estofaria.

 

                    Juliana Vasconcelos | Foto: Bruno Conti 

Roberto Migotto também apostou no sofá curvo. Casa e Cia já adiantou: o formato é tendência. A ditadura das linhas retas, imposta na virada do milênio, curvou-se a sensualidade da sinuosidase. Migotto trouxe ainda estampa no tapete e cores fortes. Dramaticidade e impacto. DNA da Black.

 


                       Roberto Migotto | Foto: Bruno Conti

 

Ninguém por aqui faz tributo ao clean. Nem mesmo João Armentano, tão clean em outras épocas...
Em black ele mostra-se minimalista, mas foge de minimalismo previsível. O sofá de veludo verde parece peça de herança da tia avó...

 

                        João Armentano | Foto: Bruno Conti

 

Marcelo Borges e Arthur Atayde buscam glamour e brilho no living. Paredes escuras resssaltam telas e o mobiliário. A fórmula de sofá emuldurado por dois abajures simetricamnte dispostos com telas acima resgata a pompa tradicional das casas dos ricos de outrora. Só uma brincadeira com o chic clichê de novela das oito. Casa de Albuquerque Figueiroa hahaha! Só que repaginada....

 

               

                      Marcelo Borges e Arthur Atayde | Foto: Bruno Conti 

 

Seguindo por este paralelo com cenário de novela Gulilherme Torres apresentou em Black o apê daquele tipo publicitário galã antenado de Gilberto Braga. A mesa Fifities, desenhada pelo arquiteto, dividiu a cena com peças de Lina Bo Bardi e tapeçaria de Jean Gillon. 

 

                 Guilherme Torres | Foto: Bruno Conti 



Enquanto a maioria apostou em cores fortes, Debora Aguiar apostou no bege na mostra Black, mas nem tanto... Seu refúgio ganhou tons de nude ao fendi. 

 

 

                 Debora Aguiar | Foto: Bruno Conti


A taxidermia deu o que falar  na Oca... Polêmicas, aliás, fazem parte de qualquer mostra de decoração . Neste tipo de evento arriscado é não correr risco. Pequenas trangressoes sao bem vindas em Black . Quem busca unanimidade acaba encontrando o ostracismo.

 

 

Casa e Cia na Casa Cor São Paulo 2015

22/06/2015
O Programa Casa e Cia embarca para a capital paulista, para cobertura da Casa Cor São Paulo. 

 

 

 

 

Esta é a 29ª edição da Casa Cor São Paulo. Com cerca de 70 ambientes, a maior e melhor mostra de arquitetura, decoração e paisagismo das Américas traz conceitos que irão ancorar esta edição: menos é melhor, compartilhamento e brasilidade.   
Enquanto as novidades apresentadas por arquitetos e designers não aparecem por aqui, confira o serviço completo da mostra paulista: 
Quando?
de 26 de Maio a 12 de Julho
Terça a Sábado das 12h às 21:30h 
Domingo e Feriado das 12h às 20h
 
Onde?
Jockey Club de São Paulo 
Av. Lineu de Paula Machado, 875 
Cidade Jardim - São Paulo
 
Quanto?
Terça à Sexta Inteira R$ 48,00 - Meia R$ 24,00
Finais de Semana e Feriados Inteira R$ 60,00 - Meia R$ 30,00 
Passaporte Único R$ 130,00 

 

 

Site: www.casacor.com.br
Facebook: www.facebook.com/casacoroficial 

 

Casa Cor Santa Catarina de portas abertas

01/06/2015
Casa Cor Santa Catarina de portas abertas em dois endereços: 
Em Florianópolis na Antiga Fábrica da Coca Cola, no bairro José Mendes, e em Itajaí no Condomínio Riviera, na Av Osvaldo Reis.
 
 
O tema do evento, "Design para UM", faz um contraponto ao tema da Bienal de Design (Design para Todos) que acontece em paralelo com Casa Cor. Deste mote surgiram projetos bem autorais. 
 
Ineditismo dá o tom do evento este ano. O que se vê são expositores fugindo da zona de conforto (oba!!) Veteranos de Casa Cor e mesmo os novatos rompem com fórmulas prontas nesta edição. Comprometidos com o novo e alheios à unanimidade, arquitetos e designers surpreendem. A mostra está up to date. 
 
 
 
CASA COR SANTA CATARINA
 
Período:
28 de maio a 12 de julho
Special Sale: 09 a 12 de julho
 
Horário:
Terça a Sexta: 15h às 21h
Sábados, Domingos e feriados: 14h às 21h
 
Local:
Florianópolis - Rua José Maria da Luz, 163 - José Mendes
Itajaí - Condomínio Riviera Concept | Avenida Osvaldo Reis, 3385, Praia Brava
 
Ingressos:
Inteira: R$30,00
Meia: R$15,00
Passaporte: R$60,00
 
Mais informações sobre a mostra, os ambientes e expositores, com fotos do evento, no site www.casacorsc.com.br 

Abajur: grande aliado

28/04/2015

Já inventaram muita coisa bacana em luminotécnica, mas continuo muito fã do bom e velho abajur. A luz indireta garante atmosfera de aconchego instantânea. E nem precisa mexer no gesso ou em lâmpadas muito sofisticadas. É só escolher um modelo bacana (ou vários)  e posicionar num ponto estratégico. Bingo! O espaço ganha outro astral. Esqueça luzes diretas e ostensivas se a ideia é uma atmosfera acolhedora. E por favor ELIMINE as lâmpadas frias da sala urgente. Estudos comprovam que a luz interfere no humor do morador e luz fria foi feita pra manter em alerta em áreas de trabalho. #ficadica

Gisela dos Santos

 

Antiguidades valorizam decoração

24/04/2015

 

 

Elas entram em cena e fazem toda a diferença no conjunto. Uma cômoda bombè , um lustre de cristal antigo ou só uma poltrona vintage tem o poder de transformar qualquer espaço. 

Mesmo o decor  mais contemporâneo ganha uma bossa cult, mais estilo e estirpe. Sorte de quem herdou um bom acervo. Pra quem não pertence a uma família de quatrocentões paulistas tipo os Albuquerque Figueiroa (hahaha) pode e deve visitar antiquários. Além de garimpar peças bacanas aprende-se muito nestes lugares sobre estilo de mobiliário, porcelanas, cristais, etc. É um universo apaixonante . 

Conhecer a diferença entre um art noveau e um art decó e um Sevres e um Limogés por exemplo é cultura. E como eu sempre digo: ter é bom, mas tão importante quanto, é conhecer ! 

Truques fazem render espaço em apartamentos compactos

17/04/2015

Os apês estão cada vez menores, e o m2 mais caro. Alguns truques infáliveis servem pra conciliar conforto, praticidade e estética nos compactos.

Como a roupa pode alongar e valorizar a silhueta, a decoração faz o mesmo pelo imóvel.

1 - Cuidado com as proporções

Sala pequena exige móveis enxutos. Uma boa dica é escolher CADEIRAS com encosto baixo para o jantar. Elas dão mais leveza para o conjunto.

A mesa com base central, independente do formato, também favorece .

 2 - O SOFÁ é a estrela da sala. 

Não precisa procurar um sofazinho, mas também não precisa ser um sofazão. Evite aqueles modelos muito opulentos, tipo americanos. Eles não são elegantes e nem somam em design... Escolha um modelo mais reto e enxuto - e atenção nas medidas! Nada pior do que um sofá "força barra" no limite do espaço, brigando com o restante das peças.

 3 - Seja seletivo. 

Se o espaço é enxuto, você tem que fazer escolhas. Não precisa abrir mão daquela poltrona bacana vintage que ganhou da vovó. Já o carrinho de chá que a tia quer desovar e doar pro seu apê vai ter que ficar de fora. Questão de bom senso. Amontoar peças compromete a circulação e o conforto. Ponto. O mesmo vale para os objetos. Desapego é fundamental. Comprou louças novas? Doe as antigas ou terá que arranjar outra cristaleira... Vira bola de neve.

 4 - Falando em cristaleira, nada melhor do que uma MARCENARIA bem planejada pra multiplicar espaço. Evite estantes muito altas, pois elas deixam o visual carregado. Aparadores longelíneos cumprem a função e alongam espaço.

 5 - ESPELHOS são grandes aliados em espaços reduzidos. Eles dão sensação de amplitude. Cobrir uma parede inteira é uma boa dica.

 6 – Em espaços pequenos, os PUFFs são sempre grandes curingas. Versáteis, servem de apoio e assento. 

Você não precisa seguir regras. Mas, atenção: nunca perca de vista o bom senso. Obedecendo as proporções é possível conciliar estética, conforto e funcionalidade, mesmo em poucos metros quadrados. 

 

Flores e frutas emprestam colorido e frescor no decór.

16/04/2015

Os vasinhos de flores são sempre bem vindos na montagem da mesa, mas você pode inovar e sair da monotonia na hora de servir.

Na foto o serviço de chá e café de saideira de almoço - um up com o contraste das flores roxas e do limão vivo do limão siciliano. Casa e Cia adora uma decoração. A gente também adora improvisos e toques divertidos. Nada precisa ficar tão arrumadinho. Concentre tudo no centro, e quem quiser vai servindo. Livros servem de "pedestal" para coisinhas mais baixas e por aí vai. Tudo bem a vontade, sabe aquele displicente muito bem pensado? É por aí. Monte e desmonte. Invente e reinvente. Você vai se divertir!

 

Acabou definitivamente a ditadura das linhas retas. Sinuosidade e movimento...

15/04/2015



Acabou definitivamente a ditadura das linhas retas. Sinuosidade e movimento...

Novos contornos! Os designers estão cada vez mais pautados pela emoção do que pela razão. ESCAPISMO! Como reflexo da crise econômica o design ganha uma pegada mais lúdica. Rigidez e austeridade estão fora de questão. Um exemplo disso é o sofá bikini landscape do designer alemão Werner Aisslinger. A peça com ares de instalação e direito a cortininha e samambaia roubou a cena...

Os brasucas estão fazendo sucesso na capital do design . No pavilhão 20 , que reunia as marcas de maior status, estavam expondo suas peças além os irmãos Campana, o catarinense Jader Almeida e o carioca Zanini de Zanine.

MANIA DE QUEBRAR

22/05/2015



O brasileiro está cada vez mais parecido com o americano do que com o europeu. pelo menos no que diz respeito à postura diante da casa. Observo que ficamos absurdamente consumistas. pior, consumimos quantidade e não qualidade. Busca-se incessantemente a novidade. Trocar o velho pelo novo é palavra de ordem por aqui. Pena, pois nesse processo a casa pode perder mais do que ganhar. E não se trata apenas de comprar móveis e objetos sem muito critério. Penso que, o mais grave aqui, é que substituir revestimentos de piso e paredes tornou-se rotina.

A frequência chega a ser irracional. Aquele porcelanato colocado há três anos pode ser considerado obsoleto hoje, quebrado e trocado. Dados da indústria cerâmica revelam que o brasileiro reforma a casa de 5 em 5 anos em média. Pasmem... Não estou fazendo apologia ao apego exagerado nem criticando investimentos no casa. Questiono só pra onde vai à verba... Do ponto de vista ecológico o desperdício de material é um desastre, lógico. E também do ponto de vista estético. É que se gasta muito dinheiro e esforço pra manter a base impecável e "atual" e muito pouco no que realmente faz a diferença no bem estar e na bossa da casa. Um belo abajur, um lustre fantástico novo ou antigo de cristal, tapetes orientais, uma cômoda bombé, design de qualidade, muranos, arte em suas inúmeras manifestações, flores frescas... São algumas coisas que realmente fazem a diferença, emprestam savoir faire... Estilo e estirpe ao conjunto da casa. Considero também que trocar de sofá três vezes em 10 anos é um absurdo. Vale muito mais comprar "o sofá" e mante-lo por muito tempo, quem sabe pra sempre. O mesmo vale pra cadeiras, mesas, adornos e tudo mais. Não custa reforçar que vivências e marcas do tempo emprestam charme especial ao decór. Acho um luxo uma poltrona de couro surrada por exemplo. Chega a ser sexy. São os encantos das imperfeições, das displicências... Coisa que americano não entende, mas o europeu tira de letra, por isso esbanja bom gosto e no segmento de decoração está anos luz a frente. Visitei ambientes fantásticos em paris. Destes, muitos ainda exibiam os revestimentos originais de décadas passadas. O café du nord , em especial, me chamou a atenção . Com seus azulejos brancos nas paredes, coisa impensável por aqui, ele era absolutamente acolhedor. Tão sedutor que voltei várias vezes... Adoro o estilo de viver e de morar do parisiense e do europeu. Seus sites e revistas especializados me encantam pela autenticidade. Tenho a impressão de que o luxo deles é menos ostensivo, menos pedante e combinadinho. É cult , denso e expressivo... Coisa pra iniciados e não pra iniciantes. Gente que não vai deixar de apreciar o belo pra observar manchinhas e arranhadinhos. Gente que sabe a diferença entre uma chaise longue e um recamier...

Alguns toques pra entrar no estilo europeu

• Compre abajures urgentemente. Os mais estilosos que vc encontrar. Leve o assunto iluminação muito a sério. A luz errada detona o clima de bem estar da casa.
• Invista em arte. Telas, esculturas, gravuras. Só compre coisas que vc gostar.
• Evite eleger o móvel pelo preço apenas. Certifique-se da qualidade. Apaixone-se. Caso contario vc corre o risco de querer trocar em pouco tempo.
• Tenha um bom tapete. Saiba a procedência.
• Garimpe objetos em viagens e feiras de antiguidades.
• Permita-se algumas exentricidades monetárias . nunca soube de ninguém que comprou um lustre caro e esplêndido que tenha se arrependido.
• Por último tenha o hábito de ler sobre arquitetura, design e arte. saber é um grande prazer.

Gisela dos Santos, jornalista e apresentadora do programa Casa e Cia.

MODA E DECÓR NA MESMA BATIDA

14/04/2015









Convencionou-se dizer que mostras são as passarelas da decoração. Simples: os mesmos princípios e discussões que marcam um desfile de moda valem para estes eventos de arquitetura e design.

Em ambos os casos valem até propostas inviáveis para a vida real... A ideia é fugir do previsível, apresentar as tendências da maneira mais chocante. Cabe ao público acompanhar estas “vitrines” com discernimento. É que tanto na moda quanto na decoração copiar está fora de questão. Vale adequar, mas sem perder de vista o bom senso. Trocando em miúdos: a saia do momento pode condenar a elegância de uma baixinha, do mesmo modo que o sofá que está fazendo sucesso mundo afora também pode ser um desastre na sua sala. Saber equilibrar formas e proporções é um dos segredos pra evitar catástrofes.

Importante observar também que tão importante quanto equilibrar as formas pra parecer longilíneo ou dar impressão de uma sala mais espaçosa é pautar as escolhas com coerência no estilo de vida . Afinal elegância também é uma questão de autenticidade, e isto vale para o jeito de vestir e de decorar.

Pessoas exuberantes simplesmente não combinam com figurinos austeros muito menos com ambientações minimalistas... O contrário também é válido lógico. Roupa e décor servem como depoimento... E estilo é uma marca pessoal e intransferível do indivíduo.

CAMINHO PARALELO Sem a intenção de criar uma teoria para o assunto, penso que as influências que migram da moda para a casa e vice-versa estão diretamente ligadas às pesquisas de tendências que servem de suporte para as duas indústrias.

Tais pesquisas refletem o contexto social, político e econômico da população. Então, em tempos de euforia surgem cores vistosas e formas opulentas. Na crise linhas e cores contidas dominam a cena. A partir deste ponto de vista é interessante observar que o caráter efêmero destes dois nichos está diretamente ligado a circunstâncias mais abrangentes, do que meramente consumismo e frivolidades.

SIMBIOSE Profissionais de moda arquitetura e design recebem as mesmas influências. Nessa onda, de uns tempos pra cá, etilistas consagrados assinam famosas linhas home. Armani, Kenzo ,Dior , Missoni e Ralph Lauren estenderam suas grifes da moda para interiores. Alguns assinam o décor dos mais badalados hotéis do mundo.

No Brasil, enquanto a Melissa contrata os Irmãos Campana , ícones do design de moveis , pra desenharem sandálias...Adriana Barra, famosa por seus vestidos coloridos e descolados cobre com suas estampas coleções inteiras de poltronas para Micasa. Amir Slama faz biquíni e também assina batedeiras para a Brastemp. Marcelo Rosembaum cria cenários e inventa estampa para a louça da marca catarinense Oxford. Glória Coelho faz vestido e também luminárias para a Bertolucci... E por aí vai... É quase impossível pensar em moda e decoração separadamente.

Gisela dos Santos, jornalista e apresentadora do programa Casa e Cia.

GISELA DOS SANTOS - Comida, Diversão e Arte.

14/04/2015

Este foi o tema que eu passei pro saudoso Zeca D'Acampora em uma mostra de mesas que promovi nos corredores do Beiramar Shopping anos atrás,pouco antes da partida do Chef. Querido como sempre, ele topou na hora, e produziu uma mesa sensacional baseada na semana da arte modernas de 1920.Pensando num assunto pra minha segunda coluna na Mercato Immobiliare, o refrão (Titâs) "Comida, Diversão e Arte" me voltou à cabeça. Explico: em minha opinião sem estas três coisas uma casa será sempre só uma casa...Nunca um lar.A palavra lar lhe soa piegas?Pois pra mim não.

Lar, independente de quanto tenha custado sua montagem, é uma casa com vivências,com alma e será sempre mais do que só um imóvel.Sem cheiro de COMIDA e sem temperos, uma cozinha super equipada não vai passar de um amontoada de parafernálias. Adoro cheiro de cebola frita em casa.A base de um risoto preenche o espaço de memórias afetivas. É uma delícia, depois enjoa, claro, daí assa-se um bolo pra mudar os ares. Risos também ficam impregnados nas paredes.Acredite!!! Encontros de amigos, conversas e DIVERSÃO marcam de maneira definitiva o astral da casa. Também se pode chorar entre suas 4 paredes,lógico.A casa vai sentir e tentar lhe confortar. Passada a crise,retribua.Compre vasos novos, flores e ARTE, a melhor tela ou escultura que você puder pagar.Apaixone-se pela arte, interaja e interprete cada peça do seu próprio jeito.Saiba o nome dos artistas que compõem seu acervo, e evite comentários sobre preço...Isso faz toda a diferença.Nada pior do que a soberba ou a ignorância diante de suas aquisições. Texto de Gisela dos Santos para a revista Mercato Immobiliare

JULIANA PIPPI - De volta para casa e cheia de idéias e inovações

14/04/2015

É sempre uma surpresa chegar em Milão e ver o tamanho da Feira. São mais ou menos 25 galpões cheios de Stands das melhores marcas, designers e estilos. Entrando e saindo desses galpões (pavilhões) encontrei milhares de novidades e tendências que gostaria de compartilhar com vocês.

A assimetria é algo que predominou nos móveis como nichos, as cabeceiras, estantes desalinhadas, sofás, cadeiras e racks.
Nos Stands de móveis os revestimentos predominantes continuam sendo a laca branca em alto brilho, cinza e beges. Além disso, os amadeirados lavados certificados estão com tudo. Nas padronagens muita lã, crochês largos e linhos. Os detalhes para as estampas em pixel gigante e o xadrez Chanel (pied poule) com novas texturas, novas cores cítricas e tudo associado a muita tecnologia.
Na área dos dormitórios foi um desfile de novidades e tecnologias. Porta de armários cada vez maiores, camas estofadas e jogos de volumes nos criados-mudo. Onde tudo fica escondido e prático.

Móveis soltos como cadeiras em tons fortes como azul Fendi e Verde Limão tipo siciliano.

A iluminação foi outra novidade com a quantidade de móveis que tinham LED embutido. Nas cozinhas, banheiros, salas, quartos....em todo lugar.

A Euroluce, feira especializada em iluminação trouxe novidades e tendências em luminárias. Produtos maleáveis foram usados para criar luminárias diferentes e assimétricas como, por exemplo, fita de madeira criando volumes, fitas de fibra de vidro criando texturas diferentes. Até luminárias em forma de esculturas que substituem uma peça de decoração. As cores também estão presentes nesta área como o azul, vermelho, amarelo e o tradicional preto e branco.

Na Mostra paralela "Fuori Salone" visitei o espaço da Corian que estava divino. O stand foi todo inspirado no filme "Tron Legacy" da Disney trazendo uma atmosfera futurista. Quem viu o filme se emocionou ao entrar neste salão.

A presença marcante do designer brasileiro também me impressionou. Fiquei orgulhosa de ver que o Brasil fez bonito na Feira criando tendências na arquitetura. A Mostra Brasil SA este ano foi num belíssimo palácio restaurado no Centro de Milão com exposições lindíssimas como a Ala das Bandeiras que trouxe o histórico de alguns arquitetos e designers brasileiros importantes. Em outra sala uma exposição de imagens e histórico de arquitetos como Li Bo Bardi, Oscar Niemeyer, Lúcio Costa, Sérgio Rodrigues, entre outros. Mas o que chamou mesmo a atenção foi o espaço com as bolas cedidas pela Nike e customizadas por grandes personalidades brasileiras como Marcelo Rosembaum, João Armentano e outros. Até o Chef Alex Atala customizou uma bola com grãos de arroz e feijão. Tudo mostrando que o talento brasileiro é hoje criativo e universal. Quebrando barreiras internacionais.

O que eu vi em Milão esse ano foi muita novidade, criatividade, cores, formas, inovações dos designers vão ficar marcados até a próxima Feira.

Para quem trabalha com idéias e tendências, visitar a Feira de Milão é uma oportunidade única. Presenciei e vivenciei um verdadeiro show de arquitetura e decoração.

Arte para quem desja arte. - Por Marina Baldini

14/04/2015

O momento atual é propicio para o surgimento de novos artistas, esses muitas vezes criando em novos suportes para um novo público. O jovem de hoje tem interesse por arte, arte com a qual ele se identifica, admira e muitas vezes se sente parte dela.

A internet e a rua muitas vezes fazem o papel de galeria e novas obras de arte multiplicam-se nos monitores e muros daqueles de olhar atento.

Do interesse que surge através de imagens que circulam na rede em blogs e fklickr de artistas e figuras pintadas em muros da cidade, surge a vontade de buscar o "real". É comum o público que visita a galeria, já conhecer e identificar artistas, trabalhos e séries, sem nunca ter estado lá antes, mostrando profundo interesse pela arte atual produzida em Florianópolis.

Um novo público surge, um público jovem que deseja ter em sua casa arte de qualidade que fale sua língua. E essa linguagem muitas vezes abandona telas e molduras e transforma-se em grafites feitos diretamente nas paredes das residências de quem investe na arte como forma de completitude de seu bem estar e sabe que a história da humanidade é a história da arte e viver o seu momento, não é de forma alguma negar seu passado, mas sim participar das mudanças de seu presente.

Sendo assim, interessantes coleções vão se constituindo, onde um retrato de Martinho convive ao lado de um grafite Driin sem causar desconforto, muito pelo contrário sugerindo uma perfeita conexão proporcionada pela liberdade contemporânea.

Marina Baldini - Arquiteta e Galerista
www.corgaleria.com

Razão ou Emoção? - Por Marcelo Salum

14/04/2015

Aqui sentado em frente ao meu computador fico me perguntando o que de realmente útil eu posso escrever para essa coluna. Falar sobre tendências? Sobre que materiais estão se usando, o que é certo, o que é errado na arquitetura? Confesso que não sinto entusiasmo. Hoje em dia é um campo muito vasto e creio que definir tendências, em minha opinião, é algo ultrapassado. Talvez o que eu possa tentar fazer é uma reflexão sobre o que é atuar nesse mercado e pessoalmente descrever meus estímulos e desejos.

Quando a Gisela me convidou para assinar essa coluna sugeriu o tema razão e sensibilidade e questionou se é possível conciliar essas coisas. Creio que não só é possível como um dever. Mas como um tema tão recorrido na arquitetura como o da forma segue a função ou a função segue a forma, como devemos eleger quem vem na frente, razão ou sensibilidade?

No nosso dia a dia temos que lidar com inúmeras questões práticas para botar em funcionamento nossa vida, aí sem duvida entraria a razão. Quando um cliente nos procura antes de qualquer coisa quer eficiência, soluções, economia de tempo e dinheiro... Ok, isso é geral e temos que responder a esses inúmeros fatores para que geremos satisfação. Mas será que é só isso? Claro que não, embora a primeira vista esse possa ser um fator determinante, tem toda uma questão de identificação com a estética, gosto, estilo e até mesmo com nossa personalidade. Contudo sinto que ainda fica um vazio nessas respostas e talvez o melhor questionamento e quem sabe o mais sutil deles seria saber qual nosso diferencial? Ou melhor, o que esta por trás das relações que estabelecemos? Aí sim entraria a tal da sensibilidade que pode se desdobrar em mil questões.

Nisso, assim como o tema da forma e função, seria difícil separar razão e sensibilidade. De certa forma uma segue a outra, intercalando-se. E talvez o nosso grande desafio seja fazer com que elas andem lado a lado, unidas, integradas. Para que isso aconteça arriscaria a dizer que essa "busca" deveria se expandir para além da arquitetura e estar incorporada na nossa vida. É um exercício diário, de atenção e consciência dos nossos atos. Somos co-criadores, não apenas dos nossos projetos, mas principalmente da nossa vida. E quem sabe a melhor das perguntas aqui feitas e a que tento incorporar cada vez mais em minha vida, silenciosamente em frente a cada cliente, fornecedor, funcionário, amigo... é COMO POSSO SER ÚTIL?

Marcelo Salum - Arquiteto
www.guglielmisalum.com.br

CORES...EXPLORE-AS, SEM MEDO DE SER FELIZ!!

14/04/2015


Cor é luz, a cor muda conforme a fonte de iluminação... a cor do mar muda... do céu muda...

As cores transformam... transformam tudo, as cores quentes por exemplo dão sensação de proximidade, e as frias o inverso. As cores quentes são mais dinâmicas, as frias calmantes e todas são importantes em vários momentos de nossa vida e no ambiente onde habitamos, nosso lar. A mistura delas proporciona o equilíbrio, pois encontramos harmonia quando integramos todas as cores, matizes, valores, , produzindo uma unidade agradável à vista, e contraste quando unimos várias cores produzindo uma espécie de choque que cria uma unidade cromática mais vital e dinâmica, portanto o uso ideal da cor é aquele que integra, num mesmo ambiente, harmonia e contraste.

Os diferentes estilos também são bem definidos pelo uso das cores. O clássico se utiliza de tons grenás, verdes, vermelhos escuros e marrons. No contemporâneo os protagonistas são cores metalizadas e neutras, mas, com uma pitada de ousadia em detalhes coloridos. No estilo clean o branco reina. Nos ambientes étnicos as cores mais utilizadas são as quentes e os tons de terra, sépia, ferrugem, ocres e laranjas. No estilo oriental o vermelho esta sempre presente. E no estilo rústico as cores quentes em tons terrosos, que nos remetem ao natural e artesanal.

Assim podemos concluir que planejar e decorar um ambiente não é somente fazê-lo bonito mas, é também imprimir-lhe caráter e dotá-lo de sentido.

Abaixo saiba um pouquinho do que cada cor traz para o seu dia a dia, não esquecendo que podemos trazer as cores para nossa vidas, de várias formas, em objetos, tapeçaria, tecidos e principalmente através de pinturas em paredes que é uma alternativa agradável e barata e fácil de mudar.

Tenha coragem de ousar, e se precisar, existem algumas fabricantes de tintas que oferecem profissionais para ajudar nesta hora.

Vermelho: Cor quente com natureza extrovertida. Traz motivação, atividade, vontade, ela atrai vida nova e pontos de partida inéditos.
Amarelo:: É a cor mais clara que mais se assemelha ao sol, energia. Traz a esperança de que tudo correrá bem, resplendor, brilho, jovialidade e alegria.

Laranja: Assim como o vermelho, é expansiva e afirmativa; contudo é mais construtiva. Essa cor traz as "bênçãos da vida", boa saúde, criatividade, confiança e coragem, atitude positiva frente a vida.
Violeta: Formada pela combinação de azul com vermelho, reflete dignidade, nobreza e respeito próprio. É a cor da realeza e, em sua forma mais sublime, vibra com força da integração e unidade.

Marrom: Cor ligada a terra. Esta associada a coisas solidas, permanentes. Cor sóbria, neutra.

Azul: Essa cor faz parte do espectro frio e, por sua quietude e confiança, promove a devoção e a fé. É uma cor popular associada ao deve, a beleza e a habilidade. A serenidade dessa cor traz consigo paz, confiança e sentimento curativos agradavelmente relaxantes.

Verde: Reflete participação, adaptabilidade, generosidade e cooperação. Essa cor atenua as emoções, facilita o raciocínio correto e amplia a consciência e compreensão. Ambiente propicia a tomar decisões. Sentimento natural de justiça.


Ticia Medeiros
Artista plástica / Designer de interiores e consultora de cores
(48) 9112-3732
www.jasmimmangadesign.com.br

Aconchego - Por Sílvia R. Santos Figueiredo

14/04/2015


Foto: Regiane Ivanski.
http://designnobrasil.blogspot.com

Nossa casa é nosso refúgio maior, é nela que nós estamos a sós, longe dos controles externos. Lá passamos nossos tempos ociosos e vivemos mais de perto o extraordinário dentro do cotidiano ordinário.

Só nela que nós nos habitamos, nos espelhamos e em cada canto da casa há sempre uma parte de nós... Assim, a casa da gente é como nossa própria vida; sempre em transformação; sempre em construção, seja esta pequena ou grande, despida de luxo ou coberta de luxo; ela é o lugar necessário, é o predileto, é o nosso grande confessionário e também é: o cenário da nossa vida real.

"A nossa casa é o reflexo de como nós nos habitamos".


Sílvia R. Santos Figueiredo
Escritora e Advogada

Tire do baú! - Por Marina Baldini

14/04/2015

Para aqueles que gostam de decoração e buscam sempre agregar estilo e peças descoladas à sua casa, as visitas a casa da vovó tornaram se momentos de divertida garimpagem de objetos que até pouco tempo atrás não imaginávamos de volta ao nosso dia-a-dia.

Não estou me referindo a cristais bacarat, nem tão pouco ao serviço de chá de prata. Falo de caixinhas antigas, eletrodomésticos que foram aposentados e mais inúmeras coisinhas ricas em lembranças que foram parar no "quartinho" da garagem.

Lembra daquela coleção de talcos da Christian Grey? Ou das lindas latas de sorvete (em meados da década de oitenta teve uma série ilustrada pelos gatos de Ademir Martins)? Das cozinhas de fórmica coloridas? E das banquetas feitas de tubo? Sem contar no fogão de pezinhos altos que sua sogra ganhou de presente de casamento e que até hoje funciona perfeitamente!

Pois então. Ao nos depararmos com essas e outras inúmeras peças todas carregadas de recordações (nossas ou das "famílias vende-tudo") é chegada a hora de nossa imaginação correr solta e dispormos essas relíquias de forma criativa e em um novo contexto. Assim, recolocadas, elas surpreendem e provocam divertidas e sentimentais reações naqueles que nos visitam.

Talvez esse resgate seja uma maneira de mostrarmos que não somos descartáveis, que temos uma história e que nossa casa não é um show room.

Aposte nisso. Reúna suas lembranças, não tenha medo de inventar, agregue humor dando nova utilidade aquela peça antiga. Sua casa ficará ainda mais original!


Marina Baldini - Arquiteta e Galerista
www.corgaleria.com

Customização... Uma batida diferente e original - Por Gisela dos Santos

14/04/2015


Como acontece de praxe a mania de customizar pegou simultaneamente no universo da moda e da decoração. Na moda tachas, laços e strass incrementam roupas de todo o tipo e principalmente camisetas básicas... Elas tornam-se únicas.
Em decoração é a mesma coisa!É incrível o que uma boa idéia pode fazer por diferentes peças
Vale forrar móveis com tecido couro fez a publicitária Vivi em uma reportagem disponível nos nossos vídeos nesse site,vale revestir uma Berger antiga com patchwork de tecidos ,cobrir uma mesinha inexpressiva com espelho... São infinitas idéias.

Eu, na falta de habilidade manual e coordenação motora pra fazer sozinha qualquer mudança aderi à pintura automotiva. Estou numa fase apaixonada por cores. Descobri uma oficina de lataria na praia da Joaquina que pinta de tudo.

Comecei com um lustre, era um bege decapê cafona. Nasceu de um novo pintado com um amarelo abacaxi que sobrou de um fusca. Sobrou tinta desse carro? Perguntei... Então o lustre vai ser amarelo! Depois veio o vermelho Ferrari para uma cadeira Thonart e finalmente o azul Tiffany para a máquina de secar roupa. Era bege estava toda enferrujada, o ó !Uma vergonha... Depois de passar pela oficina e ganhar um adesivo tornou-se a vedete da área de serviço.
As vizinhas estão fazendo fila pra ver a novidade e repetem em couro: UAUU. O deslumbramento é geral. Não troco mais a minha máquina de secar por nenhum modelo moderninho. Pelo menos enquanto durar o encanto.


Gisela dos Santos